quarta-feira, 11 de março de 2009

I - Brasão de Armas da Família. II - Os Naves na Comarca do Rio das Mortes

(atualizado - 11 abr 2013)
I
Antiga e nobre família portuguesa, oriundas de Espanha de linhagem muito digna. Grandes senhores que dominavam uma enorme extensão de terras, tais como: Nave de Setúbal, Nave de Haver, Nave dos conselhos de pernamacor, Pinhel,Almeida, Corvilhã e Figueira do Castelo. O primeiro dos Naves em Portugal foi Peres Antão Naves, Capitão-mor, cavaleiro do reino, e seu nome consta no “arquivo heráldico e genealógico”, e no livro do Armeiro-mor. É o mesmo brasão de armas tanto da família Naves como os da família Navas por ser esta última da mesma origem.(Descrição contida no Brasão da Família)



  • Descrição sucinta do Brasão da Família NAVES

Escudo pleno em metal vermelho com uma faixa larga em metal dourado margeando todo o seu contorno, tendo ao centro a figura de um castelo, em metal dourado, apresentado em um só bloco e uma porta com abertura em preto, sobreposto por três torres, com a do meio maior que a das laterais. A figura do castelo é emoldurada por uma faixa estreita, em metal dourado, na forma de losango com seus quatro pontos tocando a parte interna da faixa que contorno o escudo.

(Naves, Navas e Navios - José Cunha Oliveira - de Coimbra, PT, em seu Blog: "toponímia galego-portuguesa e brasileira" aventa o seguinte postulado - "As primeiras aparências enganam. Estes topónimos não tenhem nada que ver com barcos nem com a navegação. Estão, antes, relacionados com a oronímia e derivam de uma raiz proto-indo-europeia, muito espalhada por todo o norte da Península Ibérica, França, Suíça e Itália, que significa um "lugar plano entre montanhas". Apesar da sua dispersão e antiguidade, tem poucas variações regionais e dialetais.não se confunde com o céltico "navia"(*) - que originou hidrónimos como "Nabão", "Navia" (Gz.) e "Neiva"
(*) mas pode haver uma relação entre "nava"/"nave" e "navia": as "navas" ou "naves" são lugares úmidos, de junção de águas que descem dos cumes dos montes e, por isso, de nascimento de rios")

Obs:
Os sobrenomes não podem ser vistos isoladamente. Em épocas passadas, no batismo, somente era utilizado o nome próprio (1º nome); pois, quando adultas, as pessoas escolhiam o seu sobrenome, que podia ser do pai, da mãe, do padrinho, da terra ou alguma alcunha. Nunca houve normas ou regulamentos até o final do sec. XIX (com a criação dos Cartórios de Registros em 1850) e início do sec. XX. Mesmo agora, assistimos alguns descumprimentos ou imposição/obstação pessoal, de acordo com alguns, em algumas regiões do país.
A lei brasileira estabelece que o oficial deve recusar prenomes que exponham a pessoa ao ridículo, o que abre margem para a subjetividade e exageros. Todavia, se comprovada (e pacífica) a origem do nome, o ofical do Cartório não poderá recusar o registro. Já a criatividade surgida da numerologia ou da tentativa de imitar pronúncias estrangeiras pode esbarrar no crivo de um oficial de cartório mais rigoroso, que poderá submeter os nomes à aprovação de um juiz.
Em estudos e pesquisas, principalmente em séculos anteriores que usam nomes e apelidos diferentes, somente estudando toda a população de uma paróquia se vai delineando os verdadeiros informes.
No Brasil as funções dos Tabeliães constavam nas Ordenações do Reino, onde se estabeleceram o modo e a forma de se lavrarem as escrituras. Sua importância era de tal grandeza, que só o Rei podia nomeá-los, não só para Notas, como no Judicial.
Segundo o Ilustríssimo Mestre, Dr. Philadelpho Azevedo, autor principal do regulamento 18.542, de 24 de dezembro de 1928, que antecedeu o decreto 4.857, de 09 de novembro de 1939, consta que o Registro Civil das Pessoas Naturais, teve início com a Lei 586 de 06 de setembro de 1850, em seu artigo 17 §3 o . Foi criado o Primeiro Regulamento de Registro Civil, através do Decreto 798 de 18 de janeiro de 1852, que declarava não ser afetado o Registro Religioso, regulado pelo Concílio Tridentino e das Constituições do Arcebispado da Bahia, em seu §70 do Titulo 20, quanto aos batismos e sobrestada por Decreto de 29 de janeiro de 1852.
Quase quarenta anos foram precisos para ultrapassar os velhos hábitos, substituindo os assentos eclesiásticos. Através da Lei 1.144 e Regulamento 3.069, de 17 de abril de 1863, foi instituído o registro dos atos referentes ao casamento leigo para os acatólicos, até chegar ao Regulamento de Registro Civil pelo Decreto no. 9.886 de 07 de março de 1888, sendo marcado o início do Serviço para o dia 1 o . de janeiro de 1889, através do Decreto no. 10.044 de 22 de setembro de 1888.




  • O uso do nome


Na Europa da idade média, no calor das batalhas, viver ou morrer dependia de saber distinguir o amigo do inimigo. Essa era uma tarefa difícil, com os cavaleiros cobertos por armaduras.


Os NAVES e praticamente todas as famílias de origem européia têm o seu brasão registrado nos antigos livros de armas.



  • A concessão das armas

O Brasão e armas são termos heráldicos de igual valor e significam o conjunto de insígnias hereditárias, compostas de figuras e atributos determinados, concedidos por príncipes e reis em recompensa por serviços relevantes. Podem ainda indicar marca ou distintivo de linhagem premiada.
A idéia de usar símbolos é muito primitiva e na sua origem foi hieroglífica. Os primeiros que se tem conhecimento eram religiosos e indicativos de profissão, geralmente gravados no túmulo.
A origem do uso de símbolos heráldicos remonta à Idade Média, quando das Cruzadas. Para distinguirem-se dos outros exércitos e até mesmo para facilitar a contagem dos mortos em batalha, os escudos eram pintados de certa cor ou com determinado símbolo. Ao retornarem dos confrontos ou de outro país, muitas vezes estes escudos eram enriquecidos com novos símbolos e cores.
Os símbolos como sinais de honra e nobreza, que passavam de pais para filhos, começaram a ser empregados nas armarias no final do século X, tendo sido regularizado o seu uso e aperfeiçoadas suas regras nos três séculos seguintes. Mas as regras precisas da confecção dos brasões e os termos próprios da heráldica somente foram estabelecidos ao final do século XV. Seu apogeu na Idade Média deve-se ao ápice da cavalaria, do romantismo na arte, da exaltação da família e da nobreza.
Posteriormente os símbolos e cores foram usados em torneios da cavalaria, evoluindo para o conjunto de símbolos e cores concedidos por autoridades reais como recompensa por serviços prestados ou por feitos heróicos. Os símbolos podiam ser transmitidos aos filhos e herdeiros, estabelecendo-se assim as linhagens. Com isto, nesta etapa da história da heráldica formou-se um corpo de nobreza com escudo de armas ou brasões, que raras vezes representavam feitos de guerras ou conquistas, mas sim o procedimento de antepassados mais ou menos diretos e algumas vezes indiretíssimos.
Quase ao mesmo tempo foram criadas as armas de ordens militares, religiosas, da classe política e judicial. Ao final das concessões, os brasões eram quase que exclusivamente outorgados a ocupantes de cargos políticos, pertencentes ao pequeno círculo da corte.



  • Os esmaltes

O termo esmalte tem origem nas palavras "hasmal" (hebraico) e "esmaltium" (latim) que referem-se ao preparo de um verniz vítreo com grande aderência, que era usado para proteger os metais da oxidação.



  • Metais e esmaltes heráldicos

O metal ouro, presente nas armas dos NAVES está associada com a nobreza, riqueza e poder.
O vermelho é conhecido também como goles ou gules, recebendo este nome nas armarias da nobreza geral. Este esmalte é associado com a vitória, fortaleza, ousadia, valor e a intrepidez e obrigava os seus portadores a socorrer os injustiçados e oprimidos.



  • Figura heráldica - O Castelo

Os castelos tiveram uma importância muito grande nos tempos medievais, pois eram poderosos baluartes de defesa e residência de imperadores e reis. No seu interior reuniam-se os exércitos, camponeses e vassalos, além dos rebanhos e toda produção da terra, que ficava a salvo da cobiça dos inimigos. Esses castelos tinham meios próprios de subsistência, visto que muitas vezes eram assediados e cercados por longo tempo.
A figura do castelo, por tais condições e por seu simbolismo, é muito empregada na heráldica, obedecendo a determinados critérios para seu desenho.

O castelo não deve ser confundido com a torre. O seu desenho deve apresentar-se rigorosamente em um só bloco, com uma porta e duas janelas, o todo sobreposto por três torres, geralmente com a do meio maior que as das laterais.

A presença do castelo em um brasão de armas significa que o seu portador participou com destaque em tomadas de assalto, ou despojos conquistados. Quando representado de portas abertas (cor escura) indica sucesso na defesa ou tomada.

Tanto nos brasões portugueses quanto nos espanhóis o castelo representa, muitas vezes, aliança com a casa real de Castela. Nos brasões portugueses concedidos na segunda dinastia, os castelos são alusivos a feitos de armas praticados no ataque ou defesa de praças de guerra do norte da África e outras conquistas.



II



Os NAVES na Comarca do Rio das Mortes
Porto Velho do Macaia
Porto Velho do Mato Dentro
Arraial do Bom Sucesso Termo da Vila de São José Minas e
Comarca do Rio das Mortes





JOÃO NAVES DAMASCENO e sua esposa ANNA VITTORIA DE SÃO THOMÉ.


Os famíliares do núcleo do patriarca JOÃO NAVES DAMASCENO ,4º filho de JOÃO DE ALMEIDA NAVES e de LUZIA MOREIRA DA FONSECA, casado com Anna Vittória de São Thomé, filha de ANTÔNIO JOSÉ TEIXEIRA E MARIA RITA, são os personagens mais antigos, reconhecidos e documentados que se tem noticia. Porém, o registro de nascimento do Patriarca ainda é uma incógnata. Calcula-se a data de seu nascimento por volta de 1763; da mesma forma o casamento aos 17 anos, em 1780, com o nascimento de seu primeiro filho em 1781, vez que, em 1831 este 1º filho contava com 50 anos na abertura do Inventário do patriarca.
JOÃO NAVES DAMASCENO viveu onde era possuidor de terras, nas paragens do Porto Velho do Macaia e no Porto Velho do Mato Dentro - Arraial do Bom Sucesso Termo da Vila de São José Minas e Comarca do Rio das Mortes -, atual São João Del Rei.
A Comarca do Rio das Mortes é uma das três primeiras existentes na capitania das Minas Gerais, sendo instituída em 1714 e tendo como sede a Vila de São João del Rei. Estendia-se pelo centro – sul, a sudoeste da capitania compreendendo os termos de Jacuí, Baependi, Campanha da Princesa, Barbacena, Queluz, Nossa Senhora de Oliveira, São José do Rio das Mortes e Tamanduá. Faleceu naquelas paragens aos 27 de maio de 1831.
O inventário de JOÃO NAVES DAMASCENO foi aberto em 05 de julho de 1832, naquela mesma Vila de São José Minas e Comarca do Rio das Mortes, em casas de residência do Capitão Antônio José Moreira. Foram Partidores Francisco Veloso Carmo e Francisco Romualdo da Silva Lima.
JOÃO NAVES DAMASCENO foi casado uma única vez, com ANNA VITTORIA DE SÃO THOMÉ, sendo esta a viúva e Inventariante. Até o presente não se tem registros sobre a origem da matriarca.
ANNA VITTORIA DE SÃO THOMÉ, tem a data provável de seu nascimento por volta de 1765, calcula-se o casamento aos 15 anos, em 1780. Viúva, falece aos 19 de maio de 1841, na Fazenda da Babilônia Freguesia do Bom Sucesso Termo da Vila de São José Minas e Comarca do Rio das Mortes, exatamente 10 anos após a morte de seu único marido JOÃO NAVES DAMASCENO. O Inventário foi aberto em 03 de agosto de 1841, tendo como Inventariante seu filho Miguel Joze Naves, 3º filho do casal. Constou no Inventário de ANNA VITTORIA DE SÃO THOMÉ a relação dos netos, filhos do primogênito Francisco (De Sales) Naves "Teixeira De Almeida Naves" Cc. Ignácia De Santana Pedrosa (Michelina), já, então, falecido.
JOÃO NAVES DAMASCENO e sua esposa ANNA VITTORIA DE SÃO THOMÉ, foram proprietários de sorte de terras nas paragens de Porto Velho do Macaia, bem como em Porto Velho do Mato Dentro (fls. 4 verso e 5, do Inventário, ano 1832, Caixa 563, Museu Regional de São João Del Rei, IPHAN – Escritório Regional). Foi possuidor de terras, de animais-de-carro, carro arriado e outros bens para lida da terra, bem como de uma espingarda (fls. 3 e verso, do Inventário); contava com 10 peças (escravos) em 1832. Constou do Inventário o Dote (adiantamento de item da herança) de “uma escrava, a de nome Tereza, e um cavalo selado” à sua décima filha, Maria Naves, quando de seu casamento com Alexandre Esmayel de Assis. Maria Naves e seu esposo Alexandre Esmayel de Assis, adotaram o nome de Maria Rita de Jesus e de Alexandre Antônio de Carvalho, respectivamente.
Foram onze (12) os filhos de João Naves Damasceno e de Anna Vittoria de São Thomé, conforme veremos nos capítulos seguintes.
Abaixo, relação dos filhos filhos do Patriarca, conforme grafia transcrita de seu inventário, aberto em 1832.
1. Francisco de Sales Naves
2. João Brás dos Reis Naves
3. Miguel Jozé Naves
4. Venâncio José Naves
5. Joaquim Dias de Oliveira Naves
6. José Francisco Naves
7. Antônio Manoel Naves
8. Manoel Antônio Naves
9. Diogo José Naves
10. Dona Maria, casada com Alexandre Esmayel de Assis
11. Dona Ana Esméria Miquelina
12. Prudenciana Maria de Jesus



Antepassados de 
João Naves Damasceno
e Anna Vittoria de São Thomé
Clique na imagem p/ ampliar






































Antepassados de:
João Naves Damasceno - O Patriarca

1a Geração

1.
João Naves Damasceno  O Patriarca nasceu em Lavras - MG e morreu em Mai 27, 1831 em Bom Sucesso - MG.



Outros eventos na vida de João Naves Damasceno  O Patriarca

Enterro

foi encomendado e jaz na Capella do Macaia desta Freguesia.



Pai:
2.
João de Almeida Naves nasceu em Santana de Parnaíba - SP e morreu em data desconhecida.


Mãe:
3.
Luzia Moreira de Afonseca nasceu em Taubaté - SP e morreu em data desconhecida.



2a Geração (Pais)

2.
João de Almeida Naves nasceu em Santana de Parnaíba - SP e morreu em data desconhecida. Ele casou com Luzia Moreira de Afonseca.


Pai:
4.
Domingos Lopes da Silva nasceu em Macuco - RJ e morreu em data desconhecida.


Mãe:
5.
Florência da Silva Naves nasceu em Santana de Parnaíba - SP e morreu em 1740.


3.
Luzia Moreira de Afonseca nasceu em Taubaté - SP e morreu em data desconhecida.


Pai:
6.
Jose Vieira da Cunha nasceu em Taubaté - SP e morreu em data desconhecida.


Mãe:
7.
Catarina Portes nasceu em Taubaté - SP e morreu em data desconhecida.



3a Geração (Avós)

4.
Domingos Lopes da Silva nasceu em Macuco - RJ e morreu em data desconhecida. Ele casou com Florência da Silva Naves na 1a vez em 1714 em Santana de Parnaíba - SP.


Pai:
8.
Francisco Lopes da Silva morreu em data desconhecida.


Mãe:
9.
Maria Pereira morreu em data desconhecida.


5.
Florência da Silva Naves nasceu em Santana de Parnaíba - SP e morreu em 1740.


Pai:
10.
João de Almeida Naves - ou João Almeida Naves nasceu Cerca de 1630 em Algodres da Serra da Estrela- Atual Distrito da Guarda - Bispado de Viseu - Portugal e morreu em Mar. 11, 1715 em Santana de Parnaíba - SP.


Mãe:
11.
Maria da Silva Leite morreu em data desconhecida.


6.
Jose Vieira da Cunha nasceu em Taubaté - SP e morreu em data desconhecida. Ele casou com Catarina Portes.

7.
Catarina Portes nasceu em Taubaté - SP e morreu em data desconhecida.


4a Geração (Bisavós)

8.
Francisco Lopes da Silva morreu em data desconhecida. Ele casou com Maria Pereira.

9.
Maria Pereira morreu em data desconhecida.

10.
João de Almeida Naves - ou João Almeida Naves nasceu Cerca de 1630 em Algodres da Serra da Estrela- Atual Distrito da Guarda - Bispado de Viseu - Portugal e morreu em Mar. 11, 1715 em Santana de Parnaíba - SP. Ele casou com Maria da Silva Leite, filha de João Nunes da Silva e Ursula Pedroso.


Pai:
12.
Balthazar de Almeida Naves - ou Balthazar Almeida Neves nasceu Cerca de 1610 em Serra da Estrela - PT e morreu em data desconhecida.


Mãe:
13.
Maria Sebastiana Naves nasceu Cerca de 1610 em Serra da Estrela - PT e morreu em data desconhecida.


11.
Maria da Silva Leite morreu em data desconhecida.


Pai:
14.
João Nunes da Silva nasceu em 1589 e morreu em 1639 em São Paulo - SP.


Mãe:
15.
Ursula Pedroso nasceu Cerca de 1594 em São Paulo - SP e morreu em data desconhecida.



5a Geração (Trisavós)

12.
Balthazar de Almeida Naves - ou Balthazar Almeida Neves nasceu Cerca de 1610 em Serra da Estrela - PT e morreu em data desconhecida. Ele casou com Maria Sebastiana Naves.

13.
Maria Sebastiana Naves nasceu Cerca de 1610 em Serra da Estrela - PT e morreu em data desconhecida.

14.
João Nunes da Silva nasceu em 1589 e morreu em 1639 em São Paulo - SP. Ele casou com Ursula Pedroso.

15.
Ursula Pedroso nasceu Cerca de 1594 em São Paulo - SP e morreu em data desconhecida.


Pai:
16.
Paschoal Gonçalo Leite Furtado nasceu em 1576 em Ilha de Santa Maria - Portugal e morreu em Mai 4, 1614 em São Paulo - SP.


Mãe:
17.
Izabel Domingues do Prado nasceu em São Vicente - SP e morreu Cerca de 1668 em São Paulo - SP.



6a Geração (Tetravós)

16.
Paschoal Gonçalo Leite Furtado nasceu em 1576 em Ilha de Santa Maria - Portugal e morreu em Mai 4, 1614 em São Paulo - SP. Ele casou com Izabel Domingues do Prado.

17.
Izabel Domingues do Prado nasceu em São Vicente - SP e morreu Cerca de 1668 em São Paulo - SP.





28 comentários:

  1. meu nome é Fernando Naves Barcelos, sou de Araguari,sempre quis saber a origem dos naves ,do lado materno que é minh avo batizado com o nome de Edelvira Naves Dias, pelo padre lafayete de godoy, minha bisavó
    chamava-se Itevilna Naves Dias falecida em junho de 1943, como hoje tenho o atestado de sepultamento de minha bisavo e o certificado do batistério de minha avó "fiquinha" finha do seu neca Dias Barbosa

    ResponderExcluir
  2. Fernando Naves Barcelos, Araguari é terra de NAVES. - Tens aí uma ótima fonte primária para o estabelecimento de seu ramo na árvore genealógica da Família NAVES; parabéns pela iniciativa.
    Acrescento sugestão a sua pesquisa, objetivando a coleta de melhores resultados. Ressalto o fato comum de casamento entre primos; nesse aspecto, sugiro suas pesquisas abranger também o cônjuge, principalmente se nubentes anterior a 1900.
    Quanto a referência de sua avó Edelvira Naves Dias, bem como a de sua bisavó Itelvina Naves Dias, esperamos para breve os registros para o devido catálogo em nosso blog.
    Caso venha a obter certidão (nascimento, casamento ou óbito) paroquial de seus trisavós, certamente teremos a possibilidade de saber qual o ramo pertencente de seus antepassados.
    Obrigado pelas informações e registros postados. E, esperamos sua Inscrição, Acompanhamento e, para breve, novos comentários provenientes de suas pesquisas.
    Fraternalmente.
    Abilon Naves

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A irmã da minha avo ainda mora no Araguaia e a mais idosa da família naves.Temos parentes no Maranhão ,Barreiras,Recife,Brasília,Alto Garças,Cuiabá e Rio grande do norte.Moradores da cidade que conheceram minhas tia Joana Naves foi dona de muitas terras do Araguaia.

      Excluir
  3. NORMA APARECIDA PERRONE NAVES3 de outubro de 2010 15:46

    Sou Norma Aparecida Perrone NAVES ,filha de Carmo Perrone Naves,neta de Joâo Babtista Naves,bisneta de Joâo Bràs Naves,todos residentes em Sâo Sebastiâo do Paraiso e segundo HISTORIADOR LOCAL VINDOS DE lAVRAS E BOA ESPERANÇA.TINHAMOS AQUI OUTRO RAMO DA MESMA FAMÍLIA E PRIMO DO MEU AVÔ ,COM O NOME FRANCISCO SALES NAVES.FOI ENORME MINHA SURPRESA AO DESCOBRIR QUE OS PRIMEIROS FILHOS DE JOÃO NAVES DAMASCENO,SÃO EXATAMENTE,FRANCISCO DE SALES NAVES E JOÃO BRAS DOS REIS NAVES,O QUE DEMONSTRA QUE SOMOS DESCENDENTES DESSE TRONCO DA FAMILIA.PRECISO AGORA FAZER PESQUISAS DE DATAS PARA AUFERIR OS GRAUS DE ASCENDÊNCIA.ABRAÇOS NORMA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. RESPOSTA ENCAMINHADA EM 3 DE OUTUBRO DE 2010.

      Oct 3, 2010 06:24 PM
      Querida prima!

      Bem vinda ao nosso sítio.

      É com satisfação que agregamos mais um ramo na árvore genealógica Família Naves.

      Inicialmente, ressalto o fato de que em nossa família há muitos casos de homônimos em gerações sucessivas, inclusive casos de dois casais (marido e mulher) terem o mesmo nome e sobrenome assemelhados.

      De mesmo lado, quando você menciona o nome do primo de seu avô como o de Francisco Sales Naves, acredito ser o caso de homônimos em relação ao Francisco (irmão de João Brás dos Reis Naves), o primogênito de João Naves Damasceno cc Anna Vittoria de São Thomé.

      Francisco nasceu por volta de 1782 e faleceu por volta de 1840. Teria, então, 26 anos quando da chegada da família Imperial ao Brasil, vinda de Portugal em fuga das tropas de Napoleão Bonaparte (leia o comentário sob o título “Os toponímios “NAVES e “DAMASCENO”, publicado em 10.03.2009, neste sítio em http://familiaresnaves.blogspot.com/2009/03/relacao-dos-toponimios-naves-damasceno.html
      ).
      Por outro lado, convido a prima a integrar a equipe de pesquisadores da família NAVES e construir a árvore genealógica de seu ramo familiar NAVES. Leia mais sobre o assunto Projeto Naves – Arvore Genealógica, em http://familiaresnaves.blogspot.com/2010/04/projeto-naves-arvore-genealogica-da.html
      , publicado nesse sítio em 23.04.2010.

      Aguardo seu retorno pelo email
      abilon2005@hotmail.com.

      obs. Relacione os parentes com o nome completo dos casais, filhos, irmãos,,pais, avós, sobinhos, tios, etc.

      Grande abraço a todos os NAVES.

      Excluir
    2. Cara prima Norma Aparecida Perrone Naves.
      Localizamos o seu entroncamento em João Braz Naves Cc. Ambrozina Moura Naves - ou Ambrozina Augusta de Moura (seus bisavós);

      - Filho de Joâo Babtista Naves Cc. Ambrozina Moura Naves ou Ambrozina Augusta de Moura;

      - Neto de Antônio José Ferreira Naves - ou Antonio José Naves (filho de Francisco de Salles Teixeira Naves - ou Francisco Teixeira de Almeida Naves1_ - o Francisco Naves) Cc. Francisca de Paula Naves (filha de João Brás dos Reis Naves 2_);

      A propósito, sua linha de pesquisa se mostrou correta, parabéns.
      Grande abraço em todos os NAVES

      Excluir
    3. Cara prima Norma,

      Seu núcleo familiar foi relacionado (incompleto) na edição atualizada do Blog Família Naves, sob o título "Capítulo I - Francisco de Sales Naves 1_ "ou Teixeira de Almeida Naves" 1_ cc. Ignácia de Santana Pedrosa (ou Michelina)"

      Acesse o link abaixo, para ler a matéria na íntegra.

      http://familiaresnaves.blogspot.com/2008/11/captulo-i-francisco-de-sales-naves-ou.html

      Aguardamos seu endereço eletrônico para o envio de formulário de atualização dos dados referentes ao seu núcleo familiar NAVES.

      Abraços.
      Abilon Naves

      blogfamilianaves@hotmail.com

      https://www.facebook.com/abilon.naves


      Excluir
  4. Querida prima!

    Bem vinda ao nosso sítio.

    É com satisfação que agregamos mais um ramo na árvore genealógica Família Naves.

    Inicialmente, ressalto o fato de que em nossa família há muitos casos de homônimos em gerações sucessivas, inclusive casos de dois casais (marido e mulher) terem o mesmo nome e sobrenome assemelhados.

    De mesmo lado, quando você menciona o nome do primo de seu avô como o de Francisco Sales Naves, acredito ser o caso de homônimos em relação ao Francisco (irmão de João Brás dos Reis Naves), o primogênito de João Naves Damasceno cc Anna Vittoria de São Thomé.

    Francisco nasceu por volta de 1782 e faleceu por volta de 1840. Teria, então, 26 anos quando da chegada da família Imperial ao Brasil, vinda de Portugal em fuga das tropas de Napoleão Bonaparte (leia o comentário sob o título “Os toponímios “NAVES e “DAMASCENO”, publicado em 10.03.2009, neste sítio em http://familiaresnaves.blogspot.com/2009/03/relacao-dos-toponimios-naves-damasceno.html
    ).
    Por outro lado, convido a prima a integrar a equipe de pesquisadores da família NAVES e construir a árvore genealógica de seu ramo familiar NAVES. Leia mais sobre o assunto Projeto Naves – Arvore Genealógica, em http://familiaresnaves.blogspot.com/2010/04/projeto-naves-arvore-genealogica-da.html
    , publicado nesse sítio em 23.04.2010.

    Aguardo seu retorno pelo email
    abilon2005@hotmail.com.

    obs. Relacione os parentes com o nome completo dos casais, filhos, irmãos,,pais, avós, sobinhos, tios, etc.

    Grande abraço a todos os NAVES.

    ResponderExcluir
  5. Meu nome é José Nelson Naves. Meus primos em terceiro grau foram os "irmãos naves", que no passado sofreram o infortúnio de terem sido acusados de um acontecimento policial e jurídico ocorrido na época do Estado Novo no Brasil, no qual os dois irmãos - os Naves - foram presos e barbaramente torturados até confessar sua suposta culpa em um crime — que não cometeram. Meu pai chamava-se Agostinho Naves, e meu avô Furtuoso Naves (ambos já falecidos). Minha mãe chama-se Joaquina Banquiere Naves, que é uma senhora de 80 anos, que goza de muita saúde, bastante inteligencia e um raciocínio matemático sagaz. E minha esposa, que é a mulher e o ser humano que mais amo no mundo chama-se Maria Cristina Perdigão de Carvalhaes Naves. Tenho muita honra do meu nome!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá José Nelson Naves!

      Bem vindo ao Blog Família Naves.

      É com satisfação que agregamos mais um núcleo familiar a ser entroncado na árvore genealógica Família Naves.

      Inicialmente, sempre ressalto o fato de que em nossa família há muitos casos de homônimos em gerações sucessivas, inclusive casos de dois casais (marido e mulher) terem o mesmo nome e sobrenome assemelhados. Por isso mesmo é necessário relacionar nomes dos respectivos conjuges;e, se possível, datas e locais de nascimento, casamento, óbito, etc.

      Temos em nossos registros alguns nomes Furtuoso, bem como a variante Frutuoso. Sendo assim, pergunto:

      1 - Qual o nome completo de seu avô Furtuoso Naves?
      2 - Qual o nome da esposa de Furtuoso Naves?
      3 - Furtuoso teve outros filhos? Quais? (com respectivos conjuges)
      4 - Quem foram os pais de Joaquina Banquiere Naves?

      Primo, seus dados foram inseridos para os devidos registros, caso tenha informações complementares (datas e locais...) poderá complementá-las.

      Lhe enviaremos Relatório sobre seus antepassados Naves, assim que os dados complementares forem inseridos.

      Grande e fraterno abraço de todos os NAVES
      Blog Família Naves

      Excluir
  6. Meu nome é Fabio Duarte Garcia, meu trisavô chamava-se Messias Garcia Naves, filho de João Garcia Duarte Jr e Carolina Maria de Jesus. Outros filhos do casal João e Carolina possuem o sobrenome Naves(Sebastiana Garcia Naves, Joaquim Garcia Naves, Gabriel Garcia Naves). Acredito que Carolina Maria de Jesus seja uma das filhas de João Braz dos Reis Naves e Mafalda Pedrosa do Nascimento. Tenho registros do batismo de Joaquim filho de Lourenço Correa Affonso e Marianna Naves de Jesus cujos padrinhos foram João Garcia Duarte Jr e Prudencianna Maria Naves. Em outros registors de batismo encontro o nome de João Garcia Duarte Jr e Manoel Verissimo Naves. Prudencianna, Marianna, Manoel e Carolina, segundo minhas evidências, são filhos de de João Braz e Mafalda Pedrosa. Meu tetravô João Garcia Duarte Jr casou-se com Carolina. Gostaria de saber se vocês tem mais evidências disso? Se isso for real, tenho centenas de potenciais descendentes de João Damasceno Naves. Obrigado e parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fábio Duarte Garcia!

      Obrigado pelas palavras.

      Ficaremos felizes com a sua participação no “projeto blog Família Naves”.

      Visite os capítulos do blog Família Naves e localize os assuntos ligados aos seus antepassados relacionados na arvore genealógica Família Naves. Para inserção e localização na árvore de costado da família se dá através de informações sobre familiares próximos, tais como pais, filhos, irmãos, primos, avós, bisavós, ...
      http://familiaresnaves.blogspot.com/2012/01/blog-familia-naves-ultrapassa-marca-de.html ;

      Ressalto haver 12 registros, em 3 gerações, descendentes do casal João Garcia Duarte Junior e Carolina Maria de Jesus - a Carolina Maria Naves. Tais registros são decorrentes de importante trabalho de pesquisa de alguns abnegados primos que compõem a equipe pesquisadores dos Naves; mesmo assim, esse importante ramo familiar encontra-se desentroncado da grande árvore genealógica Família Naves.

      Quanto a Carolina Maria de Jesus - a Carolina Maria Naves Cc. João Garcia Duarte Junior, existe a hipótese, sim, de ser uma provável filha do casal João Brás dos Reis Naves 2_ Cc. Mafalda Miquelina Pedrosa (ou Mafalda de Oliveira ou Mafalda Pedrosa do Nascimento). Essa interessante pista já é objeto de pesquisa de outros primos e acreditamos que teremos novas descobertas, em breve.

      O casal João Brás dos Reis Naves 2_ Cc. Mafalda Miquelina Pedrosa (ou Mafalda de Oliveira ou Mafalda Pedrosa do Nascimento), com geração em 13 filhos conhecidos, conforme os registros no blog Família Naves.

      Para confirmação e prova de que João Garcia Duarte Naves e Carolina Maria de Jesus - a Carolina Maria Naves, foram formalmente casados, temos, por exemplo, os registros de casamentos, em original, através dos links, conforme segue:

      1 - Observações em Joaquim Garcia Naves
      Monte Santo de Minas, 01/07/1876 – Casamento de Joaquim Garcia Naves (filho de João Garcia Duarte Jr. e Carolina Maria de Jesus) e Venancia Ponciana da Luz (filha de Joaquim Custódio Pereira e Zefferina Ponciana da Luz).
      https://familysearch.org/pal:/MM9.3.1/TH-1-15067-68147-41?cc=1719212&wc=11614609

      2 - Observações em Gabriel Garcia Naves
      Monte Santo de Minas, 16/05/1891 – Casamento de Gabriel Garcia Naves (filho de João Garcia Duarte Jr. e Carolina Maria Naves) e Bemvinda Rita Naves (filha de Anna Rita de Jesus).
      https://familysearch.org/pal:/MM9.3.1/TH-1-15067-67361-15?cc=1719212&wc=11614611
      Homônimo:
      Observações em Marianna Naves de Jesus
      Monte Santo de Minas, 21/08/1875 – Casamento de José Garcia de Oliveira (filho de Cândido José de Oliveira e Maria Garcia Duarte) e Marianna Naves de Jesus (filha de Antonio Correia Affonso (neto) e Maria Ritta de Jesus Naves).
      https://familysearch.org/pal:/MM9.3.1/TH-1-15067-67731-39?cc=1719212&wc=11614607

      Aguardamos atualização dos registros sobre seu núcleo familiar NAVES.
      a) Qual o nome da esposa de Messias Garcia Naves?
      b) Messias Garcia Naves, com geração em quantos filhos? Quais (se possível com o nome dos cônjuges)?
      c) Qual o nome dos pais de Fábio Duarte Garcia Naves?
      d) Qual o nome dos bisavós de Fábio Garcia Naves?

      Já adicionamos seus informes em nossa pasta de registro com seu nome. À partir de novas informações e complementos, lhe enviares relatório atualizado contendo seus registros conhecidos e disponíveis.

      Grande e fraterno abraço.
      Abilon Naves
      Blog Família Naves
      http://familiaresnaves.blogspot.com

      Excluir
    2. Agradeço a atenção. Enviei as informações para seu e-mail abilon2005@hotmail.com
      Abraços

      Excluir
  7. MEU AVO SE CHAMAVA ANTONIO DE LARA NAVES, MEU PAI, JOSÉ RESENDE NAVES, E EU WANDER JOSE RODRIGUES NAVES , TENHO MAIS QUATRO IRMÃOS. NÓS SOMOS DE BOA ESPERANÇA SUL DE MINAS GERAIS.NÃO SEI ONDE NOS ENCAIXAMOS NA FAMILIA DOS NAVES APESAR DE BOA ESPERANÇA ESTÁ LOCALIZADA RELATIVAMENTE PERTO DA CIDADE DE SÃO JOÃO DEL REI. ABRAÇOS, WANDER NAVES.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro primo Wander.

      Bem vindo ao projeto Blog Família Naves - árvore genealógica.

      Suas informações acrescentam nosso projeto; todavia, é sempre bom lembrar a existência de muitos nomes que se repetem de geração a geração, havendo até caso de casais com a mesma composição de nome e sobrenome. Por isso mesmo é interessante mencionar o nome de nossos antepassados, juntamente com seus respectivos nomes.

      É o caso de se confirmar sobre o nome de seu avô "Antônio de Lara Naves".

      Temos o registro (com os dados que passou ainda não dá para afirmar ser a mesma pessoa) de Antônio de Lara Naves - o Tonico, casado com Maria Umbelina Rezende Naves - a Neném, com geração em pelo menos oito (8) filhos, inclusive um de seus filhos com o nome de José Naves.

      Caso relacione os cônjuges, se possível o nome de alguns tios e tios-avós, haverá possibilidades de constatação e inserção de seu núcleo familiar na árvore genealógica do projeto Blog Família Naves.

      Aguardamos sua relação constando os nomes dos respectivos membros e cônjuges de seu núcleo familiar.

      Grande e fraterno abraço.

      Abilon Naves
      Blog Família Naves

      blogfamilianaves@hotmail.com
      http://www.familiaresnaves.blogspot.com
      https://www.facebook.com/abilon.naves

      Excluir
    2. A propósito, primo Wander, o Projeto Blog Família Naves - Árvore Genelógica, conta no dia de hoje, 17 de abril de 2013, com 14.470 registros de pessoas, distribuídos entre 5.003 famílias, contados à partir do ano de 1610 (data calculada) em Serra da Estrela, Algodres - Portugal; e, em 1655, em Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil.

      Excluir
  8. OLA MEU NOME É RONY NAVES MENDES, TENHO 29 ANOS ANOS, FILHO DE LUIZABETH DAS GRAÇAS NAVES MENDES, NETO DA SENHORA IRACÍ AMÉLIA NAVES E JOVIANO, MEU BISAVÓ eu conhecia como vó RABELO não sei o nome completo. Os meus parentes são quase todos da região do goías, goiania, firminopólis e são luiz dos montes belos, gostaria de saber mais informações dos parentes que eu tenho.desde de já agradeço pelas informações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rony!

      Bem vindo ao Blog Família Naves - Projeto Árvore Genealógica.

      Temos alguns registros sobre seu núcleo e ramo familiar, descendentes de Luzia Clara da Luz [- ou Maria Clara da Luz - a Luzia Clara Naves] casada com João Patrício da Silva (ou João Cardoso de Souza) - o João Patrício, avós de Joviano casado com Iraci.

      O Blog Família Naves dispõe de 957 registros de pessoas constando nesse ramo de família ainda desentroncado de nossa árvore genealógica. Uma pequena parte desse ramo da família constou da edição publicada no dia 12.02.2011, (atualizada no dia 20.07.2013) sob o título "Ramo João Cardoso de Souza - o João Patrício cc. Luzia Clara Naves".

      Aguardamos os primos que mantenham alguma ligação com o ramo Naves de Souza ou Souza Naves, entrem em contato informando sobre o seu núcleo familiar correspondente, inclusive com o envio de fotos.

      Confirme seu email e receba relatório Folha do Grupo da Família para complementos dos registros no Blog Família Naves – Projeto Arvore Genealógica.

      Grande e fraterno abraço.
      Abilon Naves
      Blog Família Naves
      blogfamilianaves@hotmail.com

      Excluir
    2. Ramo João Cardoso de Souza - o João Patrício cc. Luzia Clara Naves
      - Atualizado em 20.07.2013 -

      Ramo Souza Naves ou Naves de Souza -

      A importância do entroncamento deste ramo à árvore genealógica Família Naves, tronco João Naves Damasceno e Anna Vittoria de São Thomé.

      acesse o link: http://familiaresnaves.blogspot.com.br/2011/02/ramo-joao-cardoso-de-souza-o-joao.html

      Excluir
  9. Oi eu sou de familia naves ..e sou nascido em bom sucesso e gostaria de saber cê alguem sabe da horigem da minha familia cê vem de horigem europeia....aguardo resposta .obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luciana Paula,

      Ficamos felizes com sua participação no Blog Família Naves – Projeto Árvore Genealógica.

      Para melhor conhecimento sobre o seu ramo na Família Naves relacione o nome de seus pais e avós, bem como os demais de seu núcleo familiar.

      As origens da família, até onde sabemos através de registros oficiais, é de Portugal (1600). Veja através do link http://familiaresnaves.blogspot.com.br/2013/07/balthazar-de-almeida-naves-cc-maria.html

      Os registros da família Naves, no Brasil, datam de 1655:
      http://familiaresnaves.blogspot.com/2010/05/joao-de-almeida-naves-cc-maria-da-silva.html

      Todavia, temos a menção de que os NAVES estiveram nas caravelas de Cabral, à época do descobrimento do Brasil.

      Visite as páginas do blog Família Naves e localize seus antepassados na arvore genealógica Família Naves. A localização na árvore da família se dá através de informações sobre familiares próximos, tais como pais, filhos, irmãos, primos, avós, bisavós...
      http://familiaresnaves.blogspot.com.br

      Confirme seu email e receba relatório Folha do Grupo da Família para complementos dos registros no Blog Família Naves – Projeto Arvore Genealógica.

      Grande e fraterno abraço.
      Abilon Naves
      Blog Família Naves
      blogfamilianaves@hotmail.com

      Excluir
  10. muito bom ,estive em Portugal na vila de Neves

    ResponderExcluir
  11. lSou Leonice Naves do Nascimento, neta de Francisco Naves do Nascimento, casado com Maria Garcia Ferreira. eles sao naturais de Monte Santos de Minas. gostaria d Saber se ainda tenho parentes ai nessa região.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá prima Leonice Naves Nascimento,

      Ficamos felizes com a sua participação no projeto ”Blog Família Naves - Árvore Genealógica", que tem por objeto estabelecer a genealogia da família e dispor conhecimentos sobre os antepassados comuns..

      Prima, seu núcleo e ramo de família ainda não estão entroncados no BLOG Família Naves - Projeto Árvore Genealógica. Somente com os nomes de seus avós não foi possível localizá-los em nosso banco de dados, pois existem algumas lacunas faltantes e, para complementos, são necessárias algumas informações atualizadas sobre registros de seu núcleo familiar, bem como de outros próximos ao seu.
      É muito importante que, caso possível, informar o nome de seus pais, tios, primos, relacionando os cônjuges.

      O projeto Blog Família Naves agradece todas as informações que possam aperfeiçoar e ampliar nossos objetivos. Envie-nos um email com suas opiniões e informações.

      Contato:
      blogfamilianaves@hotmail.com

      Facebook:
      - https://www.facebook.com/abilon.naves

      - Grupo “OS NAVES” (Facebook) https://www.facebook.com/groups/osnaves.naves/?bookmark_t=group

      Grande e Fraterno Abraço do primo,
      Abilon Naves
      blogfamilianaves@hotmail.com
      http://familiaresnaves.blogspot.com.br/2008/11/1-joo-naves-damasceno68-cc-maria-abadia.html
      https://www.facebook.com/abilon.naves

      Excluir
  12. Boa tarde.
    Sou Erica Nascimento Naves.
    Estava assistindo um programa sobre a arvore genealógica de uma apresentadora e fiquei curiosa sobre a minha.
    Minha família e de Catalão - Goias.
    Quais informações você precisa para acrescentar minha família no projeto.
    Aguardo resposta.
    Grata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLá prima Erica.
      Ficamos felizes com sua participação no BLOG Família Naves – Projeto Árvore Genealógica, que tem a finalidade de estabelecer a genealogia da família e dispor conhecimentos sobre os antepassados comuns.

      Confirme seu EMAIL, seu nome completo, de seus pais e avós, e lhe será encaminhado o relatório “Folha do Grupo da Família” para complementos dos registros no BLOG Família Naves – Projeto Arvore Genealógica.
      Envie para blogfamilianaves@hotmail.com

      Grande e fraterno abraço.
      Abilon Naves
      Editor do BLOG Família Naves – Projeto Árvore Genealógica
      http://familiaresnaves.blogspot.com.br/2012/01/blog-familia-naves-ultrapassa-marca-de.html

      Administrador do Grupo Os Naves
      ” https://www.facebook.com/groups/osnaves.naves/?bookmark_t=group

      https://www.facebook.com/abilon.naves

      Excluir
  13. Boa tarde Abilon
    Meu nome é Gabriela Naves Machado, meu nome já consta na genealogia, mais percebi que ainda falta muitas pessoas da minha família pra atualizar, se você se interessar eu posso te passar os dados do restante da família de AFRANIO NAVES e do EURIPEDES NAVES.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá prima Gabriela.
      Ficamos felizes com sua participação no BLOG Família Naves – Projeto Árvore Genealógica.
      Certamente você poderá fazer parte de nossa equipe de pesquisadores e sua ajuda será muito bem vida!!!
      Envie um e-mail confirmando seus dados (nome completo dos pais) para blogfamilianaves@hotmail.com e lhe será encaminhado os formulários Folha do Grupo de Família.
      Os formulários servirão de guia para sua pesquisa e complementos dos dados faltantes referentes ao seu núcleo e ramo familiar.
      O projeto do BLOG FAMÍLIA NAVES tem a finalidade de estabelecer a genealogia da família e dispor conhecimentos sobre os antepassados comuns.

      Fraterno Abraço.
      Abilon Naves
      Administrador do Grupo “OS NAVES”
      Editor do BLOG Família Naves – Projeto Árvore Genealógica
      http://familiaresnaves.blogspot.com.br/2012/01/blog-familia-naves-ultrapassa-marca-de.html

      Excluir