terça-feira, 10 de março de 2009

Os toponímios“NAVES" e "DAMASCENO”

- José Cunha Oliveira - de Coimbra, PT, em seu Blog: "toponímia galego-portuguesa e brasileira" aventa o seguinte postulado - "As primeiras aparências enganam. Estes topónimos não tenhem nada que ver com barcos nem com a navegação. Estão, antes, relacionados com a oronímia e derivam de uma raiz proto-indo-europeia, muito espalhada por todo o norte da Península Ibérica, França, Suíça e Itália, que significa um "lugar plano entre montanhas". Apesar da sua dispersão e antiguidade, tem poucas variações regionais e dialetais.não se confunde com o céltico "navia"(*) - que originou hidrónimos como "Nabão", "Navia" (Gz.) e "Neiva"(*) mas pode haver uma relação entre "nava"/"nave" e "navia": as "navas" ou "naves" são lugares úmidos, de junção de águas que descem dos cumes dos montes e, por isso, de nascimento de rios."
  • DAMASCENO

>> Mensagem encaminhada por Abilon Naves ao primo Coriolano Naves "Cori", em 18-03-2008, publicada no Boletim Notícias de Naves (108), de 01-04-2008:

Origem: GREGO
Significado: PROVENIENTE DE DAMASCO.

Preliminarmente, esclareço que os Naves do ramo de nossa família, descendentes de João Naves Damasceno (falecido em 1832) casado com Anna Vittória de São Thomé (falecida em 1841), assim como outras famílias, à época, são classificados pelos historiadores como colonizadores (construtores do Brasil), diferentemente daqueles que imigraram, a partir de determinadas grandes correntes migratórias, com destinos à países "já prontos". A vinda da Família Real Portuguesa para o Brasil, em 1808, é considerado o marco zero inaugural das correntes migratórias. Os Naves, já de há muito abriam fronteiras e viviam por estas paragens (seja como Bandeirantes ou Sertanistas). Imagino o velho Patriarca João Naves Damasceno, confabulando com seu filho mais velho (de seus 12 filhos), Francisco de Salles Naves, em 1808 com 26 anos, acerca de seus parentes e confrades, Bandeirantes da velha cepa, como Francisco de Sampaio Botelho Cc Maria Velho Naves (fª de José Velho Moreira Cc Turíbia de Almeida Naves), trineta paterno de Manoel Preto Cc Agueda Rodrigues, bisneta materna de João Nunes da Silva Cc Úrsula Pedroso, nomes que deram origem aos bandeirantes e Sertanistas paulistas, referindo-se a realeza recém-chegada aos portos brasileiros (escoltada e sob a proteção de navio de guerra inglês), rechaçados que foram pelas tropas de Napoleão.
Passamos então a seguinte análise.

Existem diversas correntes e opiniões que postulam a origem do sobrenome Damasceno, constante em “Naves Damasceno”.

Certa vez, em conversa com o Dr. Naves (Antônio Cândido Naves, Grande Padrinho), mencionei o fato de Damasceno significar como “aquele que é da cidade o região de Damasco”.
Tal postulado, explicaria singelamente a origem do nome composto que surge diversas vezes, nos primórdios, em nossa família: - Naves Damasceno -.

Seria, também, a forma mais fácil de concluir sobre as dificuldades da obtenção das origens do nome NAVES. Obviamente refiro-me aos de nossa linhagem direta.

Pelas pesquisas até então realizadas, constata-se que “Naves Damasceno” só passa a existir no Brasil. - E antes?

Vejamos a tese, a seguir.

Primitivamente, dentre outras formas, os nomes também eram concebidos em razão direta a referência de seu clã ou de seu lugar de origem e profissão, ou as duas ou três coisas. Assim como os “apelidos” o nome do lugar de origem era agregado ao primeiro nome, sendo, então, o “fulano de tal lugar” ou o “sicrano daqueles tais de tal lugar”, e assim por diante.

Com a regulamentação do movimento das populações, houve a necessidade de se estabelecer um padrão de registro daqueles que compunham as populações e, principalmente, daqueles que estavam adrede ou movimentando-se e agregando-se a populações diferentes de sua origem.
Como os registros eram declaratórios, em muitas vezes era forçoso ao sujeito adquirir um nome e sobrenome de acordo com a conveniência política ou de acordo com a união de novos laços familiares.

Mas vamos ao cerne da questão. – E por que Damasceno?

Primeiramente, é fato que o império Otomano (populações árabes) dominou, por 700 anos, quase que a totalidade do continente europeu, principalmente a península ibérica.

Segundamente, é fato quando da conversão forçada, na Inquisição, os judeus foram obrigados a adotar nomes cristãos, Entretanto, alguns documentos conservam os antigos nomes judeus ao lado de seus nomes originais. Eis alguns exemplos mencionados por Câmara, R.R:

Abraão...? ->> Gonçalo Dias
Abraão Gatel ->> Jerônimo Henriques
Benyamim Beneviste ->> Duarte Ramires de Leão
Eliézer Toledano ->> Manoel Toledano Isaac Catalan ->> Rafael Dias
Isaac Tunes ->> Gabriel Velho
Icer ...? ->> Grácia Dias
Luna Abravanel ->> Leonor Fernandes
Salomão aben Haim ->> Luís Álvares
Salomão Coleiria ->> Gonçalo Rodrigues
Salomão Molcho ->> Diogo Pires
Samuel Samaia ->> Pero Francisco
Santo Fidalgo ->> Diogo Pires
...? Arame ->> Francisco Martins
...? Cabanas ->> Estevam Godinho
...? Cohen ->> Luis Mendes Caldeirão
...? Gatel ->> Francisco Pires

vide o sítio “Associação Brasileira dos Descendentes de Judeus da Inquisição - A chegada dos Cristãos-Novos e Marranos ao Brasil”
http://ensinandodesiao.org.br/anussim/index.php?option=com_content&task=view&id=21&Itemid=27
Indubitavelmente, os judeus ibéricos, como qualquer outro judeu da diáspora, procuravam um lugar tranqüilo e seguro para ali se estabelecer, trabalhar, e criar sua família dignamente.

Marcelo M. Guimarães, no sítio acima, cita: É interessante notar os sobrenomes dos capitães da Armada de Pedro Álvares Cabral: Pedro Álvares Cabral; Pedro de Ataíde; Nuno Leitão da Cunha; Sancho de Tovar; Simão de Miranda; Nicolau Coelho; Bartolomeu Dias; Luiz Pires; Aires Gomes da Silva; Simão de Pinha; Diogo Dias; Gaspar Lemos; Vasco de Ataíde.

O sítio Memorial Brasil Sefarad, no endereço
http://www.geocities.com/brasilsefarad/xnemmg.htm, contém a Listagem de cristãos-novos residentes nas Minas Gerais, entre 1712 e 1763 (retirada do livro “A Inquisição em Minas Gerais no Século XVIII”, de Neusa Fernandes): Em Brumado, Cachoeira, Caeté, Catas Altas, Congonhas do Campo, Córrego do Pau das Minas de Arasuahy, Curralinho, Diamantina (antigo Tijuco), Fornos, Itaverava, Em local não definido, Minas de Arassuahi, Minas de São José, Minas Novas de Fanados, Minas Novas de Paracatu, Ouro Branco, Ouro Fino, Ouro Preto (antiga Vila Rica), Paranapanema, Pitangui, Ribeiro do Carmo (Mariana), Rio das Mortes, Sabará, São Caetano, São Jerônimo, Serro Frio e Sumidouro. (grifei).

A extensa lista de nomes e sobrenomes de cristãos-novos residentes nas Minas Gerais, não consta NAVES ou DAMASCENO, mas encontramos os Almeidas, os Bicudos, os Buenos, os Cardosos, os Laras, os Borbas Gatos etc, todos esses que permeiam a árvore genealógica dos NAVES, bem como todos os antigos troncos das famílias paulistas e brasileiras.

Por essa corrente, há lógica em afirmar que o DAMASCENO que compõe NAVES, assim como a maioria da época, é cristão-novo.

Por outro lado, também vale relatar a tese de outros “Damacenos”, o Damasceno solteiro e não em composição com outro nome, por exemplo. Tal tese, afirma que a origem dos “Damascenos” no Brasil, são cristãos maronitas trazidos por D. Pedro II, após viagem ao Líbano em 1883.

A tese de importação de “Damascenos”, por D. Pedro II, em 1883, não se sustenta; é de extrema fragilidade. A população Síria e Libanesa no Brasil, tem seu início com a corrente migratória iniciada no século XX, após a 1ª Guerra Mundial, ou seja, posterior a 1914.

Pelo nosso lado, NAVES DAMASCENO já se faziam existir cartorial e comprovadamente pelo início do século XVIII, pressupondo que a data de nascimento de João Naves Damasceno (Patriarca) seja em meados de 1750, visto seu falecimento ocorrer em 1832.

Por derradeiro, nesse diapasão, conclui-se comprovadamente que os NAVES DAMASCENO já estavam no Brasil há, no mínimo, 150 anos, anterior a propalada importação de Damascenos por D. Pedro II, em 1883.

Pelo exposto, afirmo que a incógnita permanece. Ou seja, não se pode afirmar o que é; mas, pode-se afirmar o que não é.


1.
Não pode só ver sobrenomes isolados, pois como no baptismo só usavam o nome próprio as pessoas, quando adultas escolhiam o seu sobrenome, que podia ser o do pai, da mãe, do padrinho, da terra ou alguma alcunha. Nunca houve normas atá meados do século XX e mesmo agora existem e não são cumpridas.
Há muitos irmãos, principalmente em séculos anteriores que usam nomes e apelidos diferentes.
Só estudando toda a população de uma paróquia se vai sabendo alguma coisa.


Vide matérias relacionadas:

- Homônimos na Família Naves

http://familiaresnaves.blogspot.com.br/2012/05/homonimos-na-familia-naves.html




NOTA DO EDITOR:
Abilon Naves
O Blog Família Naves - Projeto Árvore Genealógica agradece todas as informações que possam aperfeiçoar e ampliar nossos objetivos. Envie-nos um email com suas opiniões e informações.

blogfamilianaves@hotmail.com


  • Fique informado sobre as publicações do Projeto Blog Família Naves. Seja um membro do blog clicando em "Seguidores", no botão >>> "Participar deste site" <<< localizado na aba à esquerda do blog. 
  • Relaciona o seu nome completo, de seus pais, avós, email e receba o formulário "Folha do Grupo de Família" para inserção de seus dados no BLOG Família Naves - Projeto Árvore Genealógica
  • Inclua esta publicação em sua página social (Facebook, etc.) acessando o link abaixo, através dos botões.



4 comentários:

  1. Caro Abilon,

    Desejo registrar em nosso cantinho os últimos acontecimentos no que concerne à busca da certidão de nascimento de n/patriarca João Naves Damasceno :

    1- há mais de 1 ano e meio, como você tem conhecimento, tenho estado às voltas, pessoalmente e em em conversas telefônicas com meus ajudantes em Bom Sucesso-MG(inclusive Macaia-através D.Brígida,descendente de Joaquim Ferreira Naves cc.Maria Jesuína Naves,Lavras,na Cúria Diocesana de Campanha,na Diocese de Lavras e outras circunvizinhas,e
    logisticamente possíveis - aula do mestre Abilon Naves,na conformidade com a rota provável da família,o local onde ambos,João Naves Damasceno e Anna Vittória de São Thomé foram sepultados,levando-se em conta igualmente as regiões onde se deram os eventos principais de sua vida,assim como sua documentação no Museu Regional de S.J.Del Rei!

    2-a pesquisa foi interrompida várias vezes em razão das notícias recebidas, em especial a Diocese de Santana em Lavras,MG,cujas informações sobre o livro de registros antigos (1750 a 1800)>período provável do nascimento
    de J.Naves Damasceno),por pouco não se transforma numa verdadeira novela "Global"! Contraditórias e demandando um longo período de espera.

    3- até que cerca de 4 meses atrás,lembrei-me de meu conterrâneo,Revmo.Padre Wagner Portugal, com longo período de atuação na Diocese de Campanha - hoje em Juiz de Fora, personagem muito carismático,
    tanto que recentemente lhe foi concedida uma audiência com Sua Santidade o Papa Bento, dono de notável inteligência,e,por este motivo mesmo, com influência em todos os segmentos da Sociedade Mineira, e sobejamente conhecido em todas as Dioceses Mineiras,e que muito solicitamente apresentou-me ao Dr. Marcel Ribeiro Furtado,advogado responsável pela Cúria Diocesana daquela cidade.

    2.1 Assim, nosso entendimento com a secretaria das Dioceses de Lavras(Srta.Rose)e Campanha(o próprio Dr.Marcel Ribeiro Furtado)tornou-se mais ameno e prático.

    2.2 Com a srta. Rose(Diocese de Campanha) ficou esclarecido por ela mesma e de conformidade com suas próprias palavras, que afirmou ter ocorrido um grande mal entendido , talvez gerado pela presença - segundo ela, de um elemento representante de um Naves em busca de uma Certidão de Casamento dos anos de 1750 a 1760. Daí, segundo ela, sua confusão, pois que, imaginou tratar-se da mesma pesquisa. Sua informação quanto ao Livro de Assentos Matrimoniais procede, porém, não é coerente com nosso pedido e objetivo. Pediu-me um prazo de 8 dias para uma nova pesquisa. Resultado: negativo, achara tão somente 1(hum) registro datado de 1793 e não ligado a nós.

    2.3 Sugeriu-me como de outra vez, buscar na Diocese de Campanha. Aliás, bastante providencial seu conselho,já que o Dr. Marcel prontamente informou-me que este livro que procuramos realmente ali não se encontrava, acrescentando por sinal vários fatos que justificariam a não localização do Livro: disse-me ele que algumas vezes os livros são emprestados a pessoas comuns, ou até mesmo outras paróquias,porém, não não retornam a sua de origem;a hipótese também de paróquias que deixam de entregar seus livros, especialmente os mais antigos às Dioceses respectivas.

    3.4 Pela região apontada como provável berço de nascimento de João Naves Damasceno - imediações de Lavras "do Funil",decidi (de comum acordo com o primo Abilon)vasculhar todas as Paróquias da Forania de Lavras,ao todo 11(onze)são :

    Lavras - São Sebastião
    Lavras - Sant'Anna
    Nossa Senhora Auxiliadora
    Nossa Senhora de Fátima
    Ibituruna - São Gonçalo do Amarante
    Itumirim - São José
    Itutinga - Santo Antônio
    Luminárias - Nossa Senhora do Carmo
    Ijaci - Nossa Senhora da Conceição
    Nazareno - Nossa Senhora de Nazaré
    Ingaí - São Sebastião

    sendo que as 2 primeiras, como a de Campanha, foram exaustivamente "varridas".

    3.5 Pelo exposto restavam-me 9 delas para pesquisar. Mãos à obra:

    4 - Meu 1° passo foi procurar estabelecer uma lista começando pela mais antiga,e assim, sucessivamente.

    5.1 Já de início, recebi do Padre Bolívar a notícia de desconhecimento do paradeiro deste Livro e nos ofereceu um conselho: procurar na Paróquia de Itumirim (a mais antiga),
    Sugestão bem recebida >proximo passo : percorrer os Livros de Santo Antônio de Itutinga.

    6 -Conselho acudido. Nenhum documento achado e, como o de Itutinga, veio outra Sugestão = de que deveríamos verificar em Carrancas,MG, da Forania de São João Del Rei.

    7 -A Paróquia de Carrancas > o vislumbre do término da busca : a secretária Srta. Sandra me diz: ..."todos estes documentos antigos estão na Paróquia de São João...".

    8 - Paróquia de São João Del Rei >enfim, a confirmação da secretária Rosângela de que os Livros antigos encontram-se ali, mas,na Catedral do Pilar.

    9 - "Dedo no telefone"... e o alô do Sr. Mauro respondendo...." Sim, o acervo é muito grande e dispomos tão somente de um pesquisador - não ligado à Igreja,que mais ou menos 2 vezes por semana vem até a nós e efetua todas as buscas solicitadas. Providência??? = aguardar 1 semana e telefonar hoje cedo para a Catedral.

    10- Acabo de falar com o Sr. Mauro.A resposta do Pároco,Monsenhor Messias("Messias,salvo engano),através do Sr. Mauro, foi a de que devemos aguardar uma posição do seu pesquisador, quem sabe até o final da próxima semana!!!

    11- Ocorreu-me novamente um contato com meu conterrâneo Revmo.Pe.Wagner. Atendeu-me por sorte,porque naquele momento entraria em Retiro com todo o Clero.No entanto, gentilmente perguntou-me a razão do meu telefonema. Rapidamente coloquei-o ao par da situação na Catedral do Pilar. Solicitou-me um retorno na segunda-feira próxima.

    Carísimmo primo Abilon,
    deixo claro que meu objetivo ao registrar aqui este relato é o de demonstrar a todos os primos a importância da contribuição de cada um em nosso embate.É hora de sermos todos UM !

    Tomo a liberdade de lhes colocar uma frase publicada em um dos nossos Boletins,da prima D.Julieta dirigida ao Jales Rodrigues Naves,nosso Coordenador, mas, que nos enleva a todos! Sintam:

    "...Aquilo que persistimos em fazer se torna mais fácil, não porque a natureza da coisa muda, mas sim porque a nossa capacidade aumenta..."!.

    Um abraço amigo.
    Maria Eunice Naves
    B.Hte.15 de março de 2009

    Meu trabalho como solidariedade !...
    Meus esforços de prima, amiga e cúmplice !...

    Abraços,

    Maria Eunice Naves.

    ResponderExcluir
  2. Carissima Maria Eunice Naves*, indubitavelmente, como exemplo, você demonstra um modelo a ser seguido. Acredito firmemente que a sua narrativa - quase um "Diário de Métodos diretos e indiretos de Pesquisa" - influenciará os demais primos e primas a participarem incisivamente em nosso projeto de pesquisa, cujo cerne é a Arvore Genealógica da Família Naves.
    Parabéns pela pesquisa em andamento.

    *3.1.2.3.1.2. Maria Eunice Silva Naves cc/ Giovanni Michele Boglione
    http://familiaresnaves.blogspot.com/2008/11/captulo-iii-miguel-joze-naves-3-cc.html

    ResponderExcluir
  3. Caros primos,
    Por meio de pesquisas que iniciei há alguns anos atrás, percebo que existe uma forte corrente católica entremeada em nossa familia neste período e após, pois percebo que o nome DAMASCENO faz referencia ao Doutor da Igreja, São João Damasceno, da mesma forma que seu primeiro filho, pai do meu tataravô, Francisco de Sales Naves, tem este nome também por homenagem à São Francisco de Sales. abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Osvaldo.
      Participe do Projeto Árvore Genealógica - BLOG Família Naves

      Confirme, enviando para o email blogfamilianaves@hotmail.com o nome de seus pais e avós (se possívl de seus bisavós, trisavós e tetra[4º]avós), bem como seu email, para atualizar seus dados e RECEBER o formulário “Folha do Grupo de Família” do Projeto Árvore Genealógica - BLOG Família Naves.

      Seu nome completo: ............
      Nome de seu pai: ..................
      Nome de sua mãe: ................
      Nome de seu avô paterno: ....
      Nome de sua avó paterno: ....
      Nome de seu avô materno: ...
      Nome de sua avó materno: ...
      Seu e-mail:.............................

      O projeto do BLOG FAMÍLIA NAVES tem a finalidade de estabelecer a genealogia da família e dispor conhecimentos sobre os antepassados comuns.

      Fraterno Abraço.
      Abilon Naves
      blogfamilianaves@hotmail.com
      Administrador do Grupo Os Naves
      https://www.facebook.com/groups/osnaves.naves/?bookmark_t=group
      Editor do BLOG Família Naves

      Excluir